• Patricia Viciana

Serra da Capivara - O maior parque de pinturas rupestres do mundo !!







Céu azul profundo, a terra avermelhada e rachada a espera pela chuva,troncos retorcidos e secos,misturados com cactos e bromélias de diversas formas e tamanhos,e paredões de rocha que retratam os testemunhos das tradições culturais de civilizações já extintas , resumem a Serra da Capivara !

O Parque Nacional Serra da Capivara é um local de conservação arqueológica com uma grande riqueza de vestígios que se conservaram durante milênios.

É um gigantesco museu a céu aberto, com animais, plantas e paisagens de tirar o fôlego!

Nas belíssimas formações rochosas,encontram -se os sítios arqueológicos e paleontológicos,que testemunham a presença de humanos e animais pré-históricos.

É a maior concentração de desenhos pré históricos do planeta e os vestígios mais antigos da presença do homem no continente americano,por isso é um dos Patrimônios Mundial da Unesco.









Na Serra da Capivara, visitar o Parque Nacional da Serra da Capivara, Patrimônio Mundial da Unesco, é uma verdadeira viagem às origens da civilização na América. Dono de uma paisagem única, com cânion, baixões e serras, e de uma enorme concentração de arte rupestre pré-histórica (com pinturas que têm entre 6 mil e 12 mil anos), ele é um dos mais bem-estruturados parques do país. Guias treinados, obrigatórios na visita, ajudam a compreender os significados dos desenhos. A base para visitar o Parque Nacional é a modesta São Raimundo Nonato, distante 41 km, com boa estrutura de serviços









Localização : Piauí - Brasil

Ao sudeste do Piauí,ocupando áreas dos municípios de São Raimundo Nonato,João Costa,Brejo do Piauí e Coronel José Dias, quase na fronteira com Bahia, fica o Parque Nacional da Serra da Capivara.

A principal porta de entrada é São Raimundo Nonato,há 40 km.

Trilhas bem sinalizadas,com placas explicativas sobre o meio ambiente e a cultura da região, entre as escadarias e passarelas suspensas nos deixam de cara com as pinturas nos paredões de pedra.

Guias treinados,são obrigatórios e indispensáveis na visita,pois ajudam a compreender os significados dos desenhos.

Sem contar,que todo esse Parque está cercado pela caatinga,que é um bioma exclusivamente brasileiro,ou seja,grande parte do Patrimônio bilógico dessa região não é encontrado em outro lugar no mundo,além do Nordeste brasileiro.




História

O Homem escreveu,o tempo protegeu, a pesquisa explicou , e cabe a nós preservar !!!

O Parque Nacional foi criado graças,em grande parte,ao trabalho da arqueóloga Niède Guidon, que hoje dirige a Fundação Museu do Homem Americano, instituição responsável pelo manejo do parque. Pelo seu valor histórico e cultural, o parque foi declarado pela UNESCO, em 1991, Patrimônio Cultural da Humanidade.

Esta área tem a maior e mais antiga concentração de sítios pré-históricos da América. Estudos científicos confirmam que a cadeia montanhosa de Capivara era densamente povoada na era pré - colombiana.

Toda a região do parque da Capivara , está situada em uma grande bacia sedimentar de idade Paleozóica, a Bacia do Rio Parnaíba, e há cerca de 400 milhões de anos existia uma grande planície costeira , que era um enorme estuário onde desembocavam rios , que traziam areia, cascalho e lama e iam se depositandona planície , até chegar ao mar .Essa diversidade de sedimentos pode ser observada nas paredes da serra .

Na Serra da Capivara, visitar o Parque Nacional da Serra da Capivara, é uma verdadeira viagem às origens da civilização na América. Dono de uma paisagem única, com cânion, baixões e serras, e de uma enorme concentração de arte rupestre pré-histórica (com pinturas que têm entre 6 mil e 12 mil anos), ele é um dos mais bem-estruturados parques do país.

Estima- se que o homem pré - histórico aqui chegou há cerca de 100 mil anos , e encontrou uma floresta de grandes árvores , cipós , e abrigos naturais nas rochas , que servia, de local para descansar e desenhar , desfrutando dessa terra , convivendo com animais que desapareceram ao longo do tempo, como os ferozes tigres-de-dentes-de-sabre , a preguiça gigante , mastodontes , lhamas, cavalos,veados e emas.





O que visitar ?

São 14 circuitos que podem ser visitados, sempre na companhia de um guia autorizado.

O site da Fundação Museu do Homem Americano, co-gestora do parque, traz todas as trilhas em detalhe.

*** Mas atenção: não dá para contratar o guia na entrada do parque!!! É preciso já chegar acompanhado de um, e como a grande maioria dos guias têm outros empregos , o recomendável é contratar o serviço com antecedência .

⏰ : Das 6h às 18h, todos os dias.

💰 : Gratuito

🌏 : http://fumdham.org.br/visite/


Os circuitos mais procurados ficam a 18 km (Desfiladeiro da Capivara) e a 30 km (Baixão da Pedra Furada) do centro da cidade.

Já o Museu do Homem Americano fica perto do centro (siga a placa da UNIVASF).

O sítio do Baixão da Pedra Furada abre para visitas noturnas, com iluminação especial. Agende com antecedência .


Circuito Baixão da Pedra Furada - Ali estão reunidas as maiores estrelas do parque: o mural com as duas cenas mais famosas (o logotipo do parque e o beijo) e o cartão-postal , a Pedra Furada.

Boqueirão da Pedra Furada - Sítio arqueológico com mais de 2 mil desenhos datados de 4 a 12 mil anos , que abriga o cartão postal do Parque - Arco do Triunfo da Pedra Furada , que é um mirante de onde se tem uma visão panorâmica de todas as formações da Serra da Capivara.

Os desenhos foram feitos em cores vermelhas, brancas e negras , e trazem a representação de animais, plantas,cenas de caça , desenhos geométricos e de até relações íntimas.

Visitas noturnas podem ser feitas perante a agendamento precoce. Os paredões ficam todos iluminados , não só por refletores , mas também pela luz do luar e das estrelas.

Esse foi o 1º local a ser estudado pela arqueóloga Niède Guidon , diretora da Fundação do Homem Americano (FUNDHAM), que cuida e proteje o Parque. Além dos vestígios, ossadas de animais pré - históricos e diversas peças de cerâmica e utensílios foram encontrados.

Algumas dessas peças estão expostas no Museu do Homem Americano , um museu hi-tech em pleno sertão piauense.

No Boqueirão da Pedra Furada identificaram vestígios de presença humana de 58.000 anos -- demonstrando que o homem já tinha chegado à América bem antes das migrações pelo norte, via Estreito de Bering. Americanos ainda contestam as provas (dizem que o material coletado é resquício de incêndios, não de fogueiras organizadas), mas europeus endossam o trabalho da equipe capitaneada por Niède Guidon (a arqueóloga brasileira de ascendência francesa a quem devemos a existência do parque). A descoberta é celebrada no moderníssimo Museu do Homem Americano, a 2 km do centrinho de São Raimundo, onde projeções, hologramas e mesas de luz contam a história do povoamento das Américas segundo o que foi escavado na Serra da Capivara.

O Circuito tem diferentes graus de dificuldade, pois apresenta tanto sítios acessíveis como caminhadas para uma vista panorâmica e a subida até o Alto da Pedra Furada.

Compõem o circuito, dentre outros, os seguintes sítios: Toca do Boqueirão da Pedra Furada, Toca do Sítio do Meio, Toca do Cajueiro da Pedra Furada, Toca da Fumaça, Toca do Fundo do Baixão da Pedra Furada.

É o circuito mais visitado do Parque pela importância das pesquisas, pela diversidade dos registros rupestres e pelo monumento geológico da Pedra Furada. Conta com um Centro de Visitantes, local onde o turista dispõe de lanchonete, auditório, loja e toaletes. Se o turista tiver disposição para fazer uma longa caminhada na serra, pode-se passar pelos sítios do Caldeirão dos Canoas até chegar aos sítios do Caldeirão do Rodrigues.





Trilha Hombu- Circuito com diversos graus de dificuldade. Compõem o circuito sítios pré-históricos e históricos, como: Toca da Invenção, Toca da Pedra Caída, Tocas da Ema do Sítio do Brás, Casa do Alexandre e Museu do Neto Coelho.


Baixão das Mulheres - Compõe o circuito um conjunto de sítios, com destaque para os sítios Baixão das Mulheres I e II, Roça do Clóvis e Toca dos Coqueiros.

No sítio Toca dos Coqueiros, foi descoberto um esqueleto humano cujo crânio apresenta características distintas das dos ameríndios. Esse importante achado está exposto no Museu do Homem Americano.

O visitante mais aventureiro pode ainda subir por uma escada cravada em uma fenda da rocha para chegar ao topo da chapada.


Desfiladeiro da Capivara

Circuito com grau médio de dificuldade. Compõem o circuito, dentre outros, os seguintes sítios: Toca Nova da Estrada, Toca da Entrada do Pajaú, Toca do Barro, Toca do Inferno, Toca da Entrada do Baixão da Vaca e Toca do Paraguaio.

É um dos circuitos mais visitado, devido à facilidade de acesso e por oferecer ao visitante uma mostra significativa de registros rupestres, além da caminhada no fundo do vale entre os paredões rochosos e a vista panorâmica no Sítio Toca da Entrada do Baixão da Vaca. Esse circuito pode ser incrementado se o turista tiver com a disposição para fazer uma caminhada mais longa, pelo alto da chapada, para visitar o boqueirão dos Veadinhos Azuis ou, pela planície, o boqueirão do Paraguaio



Baixão das Andorinhas - verdadeiro espetáculo da natureza!

Todos os dias por volta das 17:30h, centenas de andorinhas sobrevoam o interior de um cânion com 90m de profundidade.

Os visitantes curtem a Fórmula I das andorinhas acompanhados de um lindo por do sol.

Para poder imaginar a velocidade dessas andorinhas, não é possível fazer o registro desses vôos com câmeras normais, somente equipamento profissional mesmo. E o barulho impressiona !!!




Dica :

Na Flora não deixe de observar essas espécies de cactos, que são endêmicas , ou seja só aparecem na caatinga.

Mandacaru

Facheiro

Xique-xique

Rabo de raposa

Quipá

Coroa de Frade

Ao caminhar por cactos e outras espécies, pode-se encontrar mais de 510 espécies de pássaros típicos da região, dentre eles a gralha cancã , e o falcão caburé . E outras espécies como macacos prego, saguis , mocós e até veados .

O mocó é o único mamífero endêmico.




Museu da Natureza

Em 18 de dezembro de 2018 foi inaugura do dentro do parque.

A sede do museu é o primeiro edifício circular e em espiral todo planejado com estrutura metálica no Brasil, sendo que os 12 ambientes do museu formam uma grande rampa helicoidal – como o tronco do mandacaru , para representar, no sentido ascendente, a evolução das mudanças geológicas e paleontológicas do planeta. O objetivo disso é abranger, sob um ponto de vista cosmológico, todas as eras existentes, com foco nas espécies que já habitaram a região: de trilobitas a tigres-dente-de-sabre.

⏰ : De 4º a 2º Feira , das 13 às 19 h.

Fechamento da bilheteria às 18 h.

💰 :R$ 30 (inteira)

Meia entrada para:

- Grupos a partir de 10 pessoas;

- Menores de 12 anos;

- Maiores de 60 anos;

- Estudantes;

- Pessoas com deficiência;

- Jovens de baixa renda, com idade entre 15 e 29 anos;

É obrigatória a apresentação da documentação que comprove o direito ao benefício, conforme legislação em vigor.

Educação Infantil: é necessária a presença de um professor responsável para cada 15 alunos.

Ensino Fundamental e Ensino Médio: é necessária a presença de um professor responsável para cada 25 alunos.






Museu do Homem Americano- localizado no município de São Raimundo Nonato, dentro da sede da FUMDHAM (Fundação Museu do Homem Americano), que é a responsável pelo museu e que foi criada a partir de uma cooperação entre cientistas brasileiros e franceses que trabalham nessa região desde o ano de 1973.

No início de 2017 o Museu do Homem Americano também começou a ser responsabilidade do comitê permanente de acompanhamento e gestão do Parque Nacional da Serra da Capivara, um modelo de gerenciamento compartilhado instituído pelo governo do estado do Piauí e o Ministério da Cultura do Brasil.

Neste museu pode - se ver apresentações sobre as teorias do povoamento das Américas ,a vida do homem nessa região , a história da escavação e a descrição da fauna pré - histórica dessa área.

⏰ : De 3º Feira a domingo, das 9 às 17 h.

💰 : R$20 (entrada inteira).

R$10 (meia entrada, mediante apresentação da carteira de estudante).

Gratuito para pessoas acima de 60 anos.

Gratuito para estudantes de escolas públicas, nas terças e quartas-feiras, acompanhados do professor.

🌏 : http://fumdham.org.br/visite/




Acessível ou não ?

São 173 sítios arqueológicos abertos ao público, sendo 17 acessíveis a cadeirantes .

As trilhas contornam formações de arenito e nos levam a cânions e mirantes.

Existem trilhas curtas de apenas 20 min, como também longas , como a Trilha do Caldeirão dos Rodrigues, de 4hrs com belíssimas pinturas rupestres.











COMO CHEGAR?

Não é muito fácil.

De São Paulo, Campinas, Brasília,Fortaleza e Recife,saem diversos vôos para Teresina .

De Teresina a São Raimundo Nonato são 530 km.

Do Delta do Parnaíba (no litoral) a Teresina são 350 km.

A cidade mais próxima do Parque é Coronel José Dias,mas São Raimundo Nonato tem o maior cento urbano da região.


De Teresina a São Raimundo Nonato,como não existe aeroporto, todo esse trecho tem que ser feito de carro.

Saindo da capital Teresina, pegue a BR-316 até pouco depois de Monsenhor Gil. Saia à direita pela PI-224. Continue na via, que muda de nome para PI-236. Vá até o final e entre à direita na BR-230 e, logo em seguida, em Oeiras, saia à esquerda pela PI-143. Em Simplício Mendes, vire à direita na BR-020 e percorra a via até a Serra da Capivara.

As estradas são pavimentadas, mas em alguns trechos são de mão única, e dependendo do tráfego pode-se demorar muito mais tempo.

recomendo que contrate um transfer para fazer o trajeto.


De ônibus

A rota entre Petrolina e São Raimundo Nonato é feita pela Gontijo. A viagem leva 6 horas (e vai por Casa Nova e Remanso, ou seja, pega o trecho de chão).

Já a linha Teresina-São Raimundo Nonato é operada pela Transpiauí. A viagem leva 7 horas.

Para o Delta do Parnaíba vá pela empresa Guanabara.


De Teresina/PI – ônibus diário, 3x/dia, a partir do Terminal Rodoviário de Teresina.

Terminal Rodoviário Governador Lucídio Portella

Rodovia Gov. Lucídio Portella, s/nº, Bairro Redenção

Tel: (86) 3229-9047 / 3229-9048


De Petrolina/PE – ônibus diário, uma vez ao dia, a partir do Terminal Rodoviário de Petrolina.

Terminal Rodoviário Governador Nilo Coelho

Avenida Nilo Coelho, s/nº, Bairro Gercino Coelho

Tel: (87) 3862-3200



Dica:

São Raimundo Nonato, que é a base para visitar o Parque Nacional da Serra da Capivara, está a 380 km de Petrolina (via Afrânio) ou 510 km de Teresina

Prossiga a Parnaíba, passando pelo Parque Nacional de 7 Cidades. Programe duas noites em Parnaíba; no segundo dia, faça o passeio pelo Delta. Passe os últimos dois dias em Barra Grande do Piauí, a jóia do litoral piauiense. Acrescente quantos dias de praia você puder (você merece esse descanso). Dirija os 450 km de volta a Teresina, entregue o carro e voe de volta.

O lugar tem mística. De um lado, Pernambuco. De outro, Bahia. No meio, uma das maiores celebridades nacionais: o rio São Francisco. Petrolina é rica e toda produzidinha; tem porte de pequena capital. Juazeiro tem a orla mais bonita, onde desponta a escultura do Nego d'Água -- pena que boa parte da beleza do centro histórico esteja escondida por placas e letreiros. Já cantava Luiz Gonzaga: "Petrolina, Juazeiro / Juazeiro, Petrolina / Todas duas eu acho uma coisa linda / Eu gosto de Juazeiro / E adoro Petrolina".

Ainda em Petrolina, o Flor de Mandacaru (fica fora do centro, num endereço difícil de encontrar; vá de táxi)




Hospedagem:

Em São Raimundo Nonato , que fica há 40km da entrada do Parque ,existem

pousadas modestas , e hotéis simples.

Junto aos sítios arqueológicos, fica o Albergue Serra da Capivara funciona no mesmo complexo da fábrica de cerâmica.



- Hotel Serra da Capivara - fica a 2 km do centrinho da cidade, à beira da estrada para Teresina. Muitos hóspedes jantam no restaurante do hotel. Se quiser sair para o centrinho, você vai precisar de táxi.


Recomendo o Real Hotel- Bem simples , mas próximo de bons restaurantes , bem de frente para a principal praça da cidade.

** Dica : Não esqueça de levar sabonete , shampoo, condicionador e sabonete.

Fui em período de férias , e o hotel não tinha sabonete para colocar nos quartos !







Quando ir ?

No Sertão o que define as estações não são as temperaturas, e sim , as chuvas.

O clima da região é semi árido . A temperatura média anual é elevada , por volta dos 28º C .

De Agosto a Novembro as temperaturas são mais altas, em torno de 31ºC - 45ºC.

O mês de junho é o mais frio , variando de 12ºC a 25ºC.

Esse roteiro pode ser feito em qualquer época do ano.O tempo das chuvas é de dezembro a maio, tornando a paisagem mais verde.



Quanto tempo ?

Com 5 dias, chegue por Petrolina. Aproveite para passar um sábado e um domingo por ali: é quando saem os passeios pelo rio São Francisco (o de sábado passa pela represa de Sobradinho e faz visitas a uma fazenda de frutas e a uma vinícola; o de domingo pára em ilhas para tomar banho no Velho Chico). De lá você vai de carro ou ônibus a São Raimundo, e retorna para pegar seu vôo de volta.


Com 8 dias, você pode passar o fim de semana em Petrolina (chegue na sexta, saia na segunda), três noites em São Raimundo e mais duas em Teresina, indo de avião ou ônibus à capital e pegado seu vôo de volta lá. Nesse caso, alugar carro não é uma boa opção, pois você gastaria uma fortuna (tipo R$ 1.000) só de taxa de retorno; os trajetos teriam que ser feitos de ônibus.












O que levar ?

Essenciais : Squeeze , kit de proteção solar (óculos de sol, protetor solar , boné ) , repelente .

Roupas leves e confortáveis , botas para trekking , mochila para trilhas.

Por não ter lanchonetes ou bares nas trilhas, recomendo levar bastante água , e até barra de cereal para dar energia para as caminhadas.

** Dica : Água termal ! Leve para usar e abusar nas trilhas,assim você irá se refrescar no meio do sertão. E se possível, leve roupas de ginástica, são mais confortáveis.







O que comprar ?

Além dos souvenires típicos (camiseta , boné ) , recomendo um livro sobre o turismo arqueológico da região da Serra da Capivara , e cerâmica .

Mas, não pense em encontrar somente peças básicas , sem graça !!!

Graças a arqueóloga Niede Guidon , a cerâmica tornou-se reconhecida internacionalmente . Um famoso ceramista japonês veio ao Brasil para ensinar as técnicas , e aqui foram aprimoradas.

Inclusive , muitas peças são produzidas para grandes lojas como : Lelis Blanc Casa, Tok Stok ,entre outras !









Você vai se surpreender com Teresina. OK, a capital piauiense talvez não seja a melhor pedida para o próximo feriadão -- mas estando no seu caminho, não tem por que não ser uma escala prazerosa.

Uma tarde é o suficiente para citytourzar a capital do Piauí. Depois do almoço (sugiro a carne de sol do São João), siga até o povoado de Poty Velho, onde há uma comunidade de ceramistas.

Mesmo se você não gostar das peças à venda, o passeio valerá pela vista do encontro dos dois rios que abraçam a parte mais antiga da cidade: o Poty e o Parnaíba.

De Poty Velho você pode dar uma passadinha no Centro Histórico. O Palácio de Karnak, sede do governo estadual, costuma ter exposições no saguão.

A uma quadra dali fica a Praça Pedro II, onde estão o Teatro 4 de Setembro, de fachada clássica e o antigo cinema Rex, hoje um clube, de linhas art-déco. Do outro lado da praça do teatro você encontra um Centro de Artesanato (com uma oferta mais variada que em Poty Velho, incluindo jóias de opala de Pedro II).


Ponte Estaiada, TeresinaPonte Estaiada, Teresina

Saia do centro velho em direção à mais nova atração da cidade, a Ponte Estaiada sobre o rio Poty. Suba ao mirante: o elevador (também panorâmico) funciona de terça a sexta entre 11h e 19h e sábado, domingo e feriados entre 10h e 18h. A entrada custa R$ 3 e lá do alto se avista a cidade e também o rio Parnaíba.

Quando você descer, já ao entardecer, perceberá o teresinense saindo da toca e começando a povoar as duas margens do rio, aproveitando as pistas de cooper e o verde dos parques. Termine o dia com uma passadinha na Nova Potycabana, o parque urbano onde está o THE AMO, a bem-sacada versão teresinense do I amsterdam

Ah, sim: e não saia do Piauí sem beber uma cajuína, o néctar clarificado de caju que, geladinha, é uma delícia. (Você encontrará no frigobar do seu hotel e nos restaurantes de comida típica.)

À beira-rio, o Blue Tree Towers Rio Poty é o hotel que tem mais cara de férias. O prédio é cavernoso, mas os apartamentos são bastante arejados; a piscina é bem gostosa.


O hotel mais próximo da vida noturna (e dos shoppings) é o Palácio do Rio. Ainda para esses lados, mas numa localização menos conveniente, está o novinho Gran Arrey.


Vizinhos ao Blue Tree há dois hotéis com bom custo x benefício -- o Executive Flat Rio Poty e o econômico Fórmula Flat.


O Ibis Teresina fica encravado numa área do centro povoada por clínicas e hospitais; é usado por quem vai a Teresina para tratar da saúde.


Se você só fizer uma refeição em Teresina, vá ao São João, restaurante de um prato só, mas um prato formidável: uma carne de sol suculenta, lambuzada na manteiga de garrafa, acompanhada por macaxeira e baião-de-dois (arroz com feijão verde). Minhas fontes teresinenses garantem que a filial da avenida Nossa Senhora de Fátima é tão boa quanto a matriz, que fica fora do centro.

A avenida Nossa Senhora de Fátima, por sinal, funciona como corredor gastronômico-botequinístico de Teresina, no trecho à altura da rua Antônio Castro Franco. Por ali estão os botecos Orelha de Van Gogh, Seu Boteco e Budega. O maior grupo de restaurantes da cidade, o Favorito, tem três casas vizinhas: a Brasserie Favorito (onde atua o chef piauiense Naim, que teve uma ótima passagem pelo paulistano Cantaloup), a Forneria Favorito e o libanês Aroma Árabe.

Ainda na região você encontra o animado Allium (com cardápio moderninho, freqüência eclética e um concorrido open bar de caipiroskas na quarta-feira), a filial teresinense da rede Coco Bambu (que só tem pratos para duas ou três pessoas, e não faz meia-porção em hipótese nenhuma), o bem-cenografado Favorito Comida Típica e dois restaurantes de personalidade: o Boa Vida, que tem pratos equilibrados e saudáveis (sem os quatro carboidratos concomitantes que caracterizam a cozinha nordestina), e o Olik, que funciona dentro de uma loja de objetos de decoração e tem um cardápio enxuto e bem executado.